Cabos de aço do elevador: Quando o condomínio deve autorizar a sua troca?

Imagem mostrando Condomínios em Dúvida sobre a substituição dos cabos do elevador

Todo condomínio possui uma empresa que é responsável pela manutenção do elevador, o que é algo muito positivo em termos de segurança para as pessoas.

Ao mesmo tempo, como existe essa relação de responsabilidade, é comum que alguns serviços sejam questionados pelos donos do elevador, devido ao custo adicional que eles criam.

Nesse post vamos tratar sobre a troca dos cabos do elevador, um procedimento que, no geral, traz muitas dúvidas e inseguranças para dentro dos condomínios.

Até o final desse texto, quero que você saiba pelo menos três coisas:

  1. Qual o perigo com o uso dos cabos de tração.
  2. Quando é necessária a troca dos cabos.
  3. Como realizar a troca a um custo mais baixo.

Então, se você está com um orçamento de um serviço deste tipo em mãos, não se preocupe. Até o final deste texto você vai saber exatamente o que fazer. É só seguir comigo. Combinado?

Primeiro, é preciso entender o que são os cabos de tração e quais são os riscos que estão envolvidos no seu uso.

Dependurado por cabos de aço

Os elevadores são, no geral, equipamentos muito seguros, como você já deve saber. Mas vamos aqui mergulhar um pouco mais fundo no que está por trás dessa segurança.

Talvez você ainda não saiba, mas quando os passageiros estão dentro da cabina de um elevador convencional, estão literalmente dependurados por cabos de aço. São os chamados cabos de tração.

Os cabos realmente sustentam todo o sistema. Passam pela máquina e movimentam a cabina do elevador.

E se você já foi um passageiro de um elevador, ou se você é o síndico de um condomínio, você pode um dia se perguntar se o elevador tem perigo de cair devido a problemas nesses cabos.

Como engenheiro especialista nesse assunto, eu te digo: isso é algo muito improvável.

Mas muito improvável mesmo.

Para se ter uma ideia, em toda a história do elevador moderno, o elevador cair devido à ruptura dos cabos é algo que praticamente nunca aconteceu.

Dá até uma tranquilizada saber disso, não é?

Os cabos dos elevadores são realmente componentes muito seguros.

Eles conseguem sustentar uma quantidade realmente enorme de peso e, mais do que disso, o equipamento é projetado para ter uma margem de segurança realmente alta para esses componentes.

Apesar de usar vários cabos de tração, é obrigatório que apenas um deles já seja capaz de dar conta de todo o funcionamento do elevador.

Ou seja, mesmo que dois cabos se rompam completamente – o que por si só já é algo que beira o impossível – o elevador ainda será sustentado sem maiores problemas.

Impressionante, não é?

Um cabo como esse da foto consegue sustentar incríveis 7,5 toneladas.

As normas brasileira de segurança de elevadores estabelecem que o conjunto de cabos deve ser projetado para aguentar pelo menos 12 vezes mais carga do que o necessário.

Ou seja, é uma margem de segurança realmente alta.

Por isso, se alguém te falou que o elevador pode cair porque os cabos estão desgastados, saiba que não é por aí.

Então pode tirar esse medo da cabeça.

Mas agora vamos nos aprofundar, porque existem alguns outros riscos relacionados ao uso dos cabos.

Riscos no uso dos cabos

Nesta foto, você vê um cabo danificado devido a seu desgaste.

O uso dos cabos faz com que os fios de arame em volta deles se quebrem. Em situações muito raras podem ficar como este da foto.

É um processo muito demorado e raro para o elevador chegar em uma situação assim. De décadas mesmo.

Mas, se acontece, o cabo nessa condição pode danificar polias, causar paradas bruscas do equipamento e até danificar o motor.

São ocorrências que podem causar prejuízo ao condomínio e um grande susto com o equipamento.

Por isso, é necessário trocar os cabos antes que isso possa acontecer.

Chegou a Hora de Trocar os Cabos?

Já entendemos os tipos de risco envolvidos na evolução do desgaste dos cabos, mas determinar a hora de trocá-los não é algo trivial.

São componentes muito duráveis e não há como dizer com antecedência quantos anos eles podem durar.

Muitas vezes, eles são utilizados por mais de 40 anos sem apresentar qualquer tipo de problema.

Porém, em outros casos podem durar menos, como 20 anos.

E existem casos, em especial quando há erros de montagem ou manutenção, em que os cabos podem durar tão pouco como 5 anos.

Para determinar o momento de troca, é necessário acompanhamento e inspeções ao longo do tempo.

Em uma inspeção no local, é possível avaliar visualmente a situação dos cabos.

Como as avarias nos cabos ficam visíveis, são elas que são usadas como critérios para ser avaliados junto com as normas de segurança, que determinam o momento de substituição com os seus critérios confiáveis.

Seguindo esse protocolo, o esperado seria que a condenação dos cabos ocorresse de forma correta no mercado de elevadores.

Porém, na prática não é assim. Um grande problema que temos no mercado é a grande quantidade de erros na condenação de cabos.

Infelizmente, a maioria dos técnicos não são treinados corretamente para determinar a hora de trocar os cabos.

Muitos profissionais tentam trocar os cabos muito antes do necessário, induzindo o condomínio a gastar uma grande quantidade de dinheiro sem necessidade.

Infelizmente, isso é muito comum.

Isso sem contar profissionais que usam de má fé nessa e aproveitam o medo que essa situação cria para cobrar um preço muito mais alto do que seria razoável e para pressionar o condomínio de forma indevida.

É muito importante que o condomínio se proteja de situações assim.

A melhor forma para assegurar uma boa decisão é chamar um especialista independente para avaliar a situação.

Alguém que entenda do assunto, e não tenha um segundo interesse na venda do serviço, e vai poder avaliar de forma isenta.

Se o seu condomínio fica no estado de São Paulo ou em Belo Horizonte, nós do meuelevador.com temos equipe atuando, e podemos oferecer essa avaliação para o seu prédio.

Para conversarmos, basta fazer contato por aqui.

O resultado desta avaliação é o condomínio obter um laudo independente para a decisão.

É um documento de extrema utilidade, que transfere a responsabilidade técnica da decisão para um profissional especializado.

Então se existe alguma dúvida com relação à condenação dos cabos do seu prédio, não hesite em fazer contato conosco, é possível que o seu sistema ainda possua muita vida útil.

Sabendo isso, vamos falar de algumas situações que realmente levam a condenação dos cabos, e outras que não levam.

Critérios de Descarte dos Cabos

Os principais motivos que levam ao descarte dos cabos são:

  • Redução excessiva de diâmetro do cabo (aprox. 10%)
  • Grande concentração de fios partidos
  • Corrosão acentuada
  • Distorções e deformações da estrutura
  • Desgastes graves da polia

Qualquer um destes critérios, dependendo a intensidade com a qual se apresente, pode resultar na condenação de um cabo.

Critérios que não determinam o descarte dos cabos

  • Idade do cabo.
  • Existência de alguns fios partidos. (não atingindo valores altos)

Exemplos

Vamos ver alguns exemplos de cabos condenados agora.

Os cabos de tração são fios de aço enrolados ao redor de uma corda central flexível.

Com o uso, alguns fios externos podem se quebrar. Mas isso não chega a ser um problema grave. Pela forma que o cabo é montado, quando um fio se quebra o peso que ele carregava é simplesmente redistribuído para os fios ao redor e o cabo continua sustentando o peso normalmente.

O processo natural de desgaste dos cabos é lento e gradativo.

As primeiras quebras normalmente começam a aparecer nos primeiros anos. Mas é só depois de muito tempo de uso que esses cabos vão chegar a uma situação preocupante.

O momento de descarte se aproxima quando as quebras começam a ficar muito numerosas. Especialmente se elas se concentrarem em algum trecho específico do cabo. Veja essa imagem mostrando o trecho crítico de um cabo.

Este é um cabo que atingiu os critérios de descarte pela norma.

Quando existem tantos fios quebrados em um mesmo trecho do cabo, isso pode fazer com que uma das tranças do cabo se solte da estrutura. É necessário trocá-lo.

Cuidados com a troca

Como dissemos, muitas vezes a empresa está enganada ao pedir a troca dos cabos, por isso, para o condomínio aceitar esse procedimento, é importante pedir à empresa de manutenção evidências claras da necessidade do serviço.

Algumas boas práticas são:

  • Exigir da empresa de manutenção fotos mostrando claramente as avarias que estão impedindo o funcionamento seguro.
  • Exigir comunicação formal e documentos timbrados com a assinatura do engenheiro responsável pela condenação do cabo.
  • Solicitar os critérios utilizados.

Tudo isso tem o objetivo de inibir que a empresa condene os cabos de forma indevida, ou seja, sem a real necessidade.

No entanto, na prática, é raro que a empresa de manutenção dê a devida transparência ao processo.

Por isso, a forma mais garantida de se fazer uma boa decisão é com uma avaliação independente.

Se o seu condomínio está em São Paulo ou em Belo Horizonte, não hesite em nos contatar.

Resumindo: Não é recomendável aprovar esse serviço se ainda houver qualquer dúvida sobre a sua necessidade, devido ao alto custo que ele envolve e à grande quantidade de erros que vemos.

Economizando no Serviço

Agora, uma vez entendido que será necessária a troca dos cabos, é hora de fazer com que esse serviço seja contratado dentro do custo adequado.

O primeiro passo para conduzir essa contratação é acalmar as pessoas.

Isso porquê algumas empresas, quando solicitam a troca, fazem pressão para o condomínio se apressar e aprovar o serviço dentro de condições desfavoráveis.

Mas o condomínio deve estar ciente que os cabos não entram em condições de risco da noite para o dia. Como vimos, são componentes muito seguros e de desgaste muito lento.

Com as informações que eu já te passei sobre segurança, acalme as pessoas envolvidas na decisão.

É o primeiro passo.

A troca não precisa ser decidida no calor do momento nem executada com pressa. Pelo contrário, é algo para se fazer de forma premeditada e programada. É um serviço preventivo.

O serviço em si inclui a desmontagem do sistema atualmente instalado para a instalação do novo.

Ou seja, a desmontagem dos cabos e das polias instalado e a instalação polias e cabos novos.

O custo tende a ser elevado. É um dos procedimentos mais caros da manutenção de um elevador.

Mas não é por isso que o condomínio deve aceitar qualquer valor proposto.

É recomendado verificar se o orçamento que o condomínio recebeu se encontra compatível com o preço de mercado.

Para isso, existem duas referências interessantes de se utilizar.

A primeira é com outras empresas de manutenção do mercado e a segunda é procurando descobrir o custo do material que vai ser adquirido.

Essas duas informações dão referências excelentes para uma melhor negociação com a empresa de manutenção, e vamos explicar como fazer cada uma delas aqui.

Orçando com outra empresa de manutenção

Para orçar com outras empresas, é necessário primeiro identificar algumas boas empresas de manutenção no mercado.

Então, você vai precisar apresentar as seguintes informações:

  • Número de cabos.
  • Diâmetro dos cabos. (Essa informação costuma estar afixada na máquina de tração ou na parte superior da cabina)
  • Número de pavimentos do edifício.
  • Foto da máquina de tração.

Com essas informações em mãos, qualquer empresa da sua cidade será capaz de te apresentar um orçamento do serviço.

Lembre-se que você pode também solicitar a visita de um técnico da empresa proponente ao edifício se ainda não possuir essas informações.

Se o condomínio acreditar fazer sentido, é perfeitamente possível rescindir o contrato de manutenção atual e realizar o serviço com outra prestadora.

Orçamentos com fornecedores de peças

A outra boa referência, é saber o valor dos materiais que o condomínio está indo comprar.

Para isso, é válido tirar orçamentos com fornecedores de peças.

Tipicamente serão orçamentos de cabos de tração e polias, que são os únicos materiais mais caros utilizados no serviço.

Os cabos de tração podem ser orçados com fornecedores como a Acrocabo e Vonder.

Já a polia de tração pode ser cotada em lojas como a Casa do Elevador e Carneviskis.

Muitas vezes, ao fazer isso, o condomínio percebe que o valor  cobrado pelo serviço está absurdamente alto, e entra com uma negociação melhor.

Estes são os segredos para fazer uma boa negociação deste serviço.

Concluindo

Nesse post, mostramos o que são os cabos de tração e como eles são utilizados nos elevadores. Vimos, em detalhes, porque eles são componentes tão seguros e porque normalmente eles tem grande vida útil.

Em seguida, explicamos quando você deve autorizar a sua troca, e quando não deve.

Mostramos que é importante saber a hora certa de aprovar um serviço assim para evitar erros que saem caro para o condomínio.

Explicamos também que, se você ainda tem qualquer dúvida sobre a necessidade de troca dos cabos do seu elevador, basta fazer contato com a gente que podemos te ajudar.

Ao final, mostramos como economizar no serviço caso seja necessária a troca.

E, com isso, finalizamos esse post.

Espero realmente termos ajudado um pouco com as informações, e seguimos em frente na missão de deixar a manutenção dos elevadores mais fácil e segura no Brasil.

Um grande abraço,
Eng. Rômulo.

P.S Se puder, deixe um comentário aqui embaixo nesse texto. É sempre um prazer sabermos o que você tem a dizer dos nossos artigos.

Sobre o autor

31 comentários em “Cabos de aço do elevador: Quando o condomínio deve autorizar a sua troca?”

      1. Pedro gostei muito das suas explicações. Claras e objetivas.
        Infelizmente, como você sabe, esse mercado de elevador é uma máfia. Não informam nada, as manutenções mensais são uma vergonha, os orçamentos para a realização dos serviços não especificam nada e ainda ficam aborrecidos quando você pede mais informações e esclarecimentos.
        Até para trocar a empresa de manutenção é complicado. Sai de uma e entra numa pior. No início tudo são flores depois cai na mesma situação.
        Muito obrigado.
        Valeu muito as suas informações.

        1. Romulo Marques

          Obrigado Almir!

          Infelizmente, muitas empresas não têm apresentado ao mercado a seriedade e transparência necessária para este tipo de serviço.

          Neste texto, tentamos trazer a luz informações simples. Mas que muitas vezes são passadas de forma errada para o condomínio.

    1. Obrigada pelas informações bastante esclarecedoras, no entanto continuo com uma dúvida. Sou síndica de um edifício de 22 andares, a empresa que faz a manutenção disse que há necessidade da troca dos cabos de aço do elevador. Ele possui 6 cabos , estão querendo trocar todos que são 980 m de cabo de aço .Minha pergunta é: é possível trocar só o cabo de aço que está com defeito ou é obrigado a trocar todos os 6 ?? O argumento da empresa que tem que trocar todos!!!
      No aguardo de uma pronta resposta.Grata Esther

      1. Romulo Marques

        Olá Esther! Tudo bem? É muito importante que quando foram instalados, os cabos tenha a carga bem distribuída entre eles (boa equalização de tensionamento), para que o desgaste se distribua bem ao longo dos vário cabos e eles durem muitas décadas. Quando isso não ocorre, é comum que somente um dos cabos sofra um desgaste muito mais intenso do que os outros, levando ao descarte prematuro.

        Infelizmente, na maior parte das vezes, quando um dos cabos vai ser trocado é necessário trocar todos eles. Um cabo novo possui uma elasticidade inicial muito maior que cabos antigos (que já esticaram). Quando um cabo novo é instalado, ele passa por um processo de acomodação nos primeiros meses, esticando um pouco. Devido a este processo, quando um cabo novo é instalado com outros antigos, ele tende a causar um desbalanço entre o tensionamento dos cabos. Por consequência, leva ao desgaste acelerado de todos eles. Por isso, costuma ser mais vantajoso trocar todos juntos e o sistema irá ter muito mais vida útil.

        Espero ter conseguido te responder. Qualquer coisa, faça contato por um formulário aqui no nosso site. Grande abraço, Rômulo.

  1. HAMILTON CAMARGO

    Olá Romulo.
    Muito interessantes e esclarecedores seus comentários.
    Ontem recebi o seguinte laudo da manutenção. “Cabo de tração fora da polia do contrapeso”. Será defeito na manutenção?

    1. Romulo Marques

      Olá Hamilton, tudo joia? Fico feliz que tenha gostado dos comentários. O cabo de tração estar fora da polia do contrapeso é uma irregularidade grave, e o elevador não pode funcionar nessas condições. É possível que seja defeito na manutenção, ou mais provavelmente na montagem do conjunto. É preciso fazer uma avaliação técnica no local para se ter certeza. Grande abraço, Rômulo.

  2. Cesar N Lunardi

    Parabéns Romulo Marques , profissional abençoado , pela dedicação e explanação sobre essa Matéria Elevadores . Após longos anos apanhando , toda vez que fui escolhido como Sindico e ter tido de aprender na raça e que em muitas vezes confesso não ter sucesso . Explanação Tecnica brilhante muito fácil de ser entendida o que nos municiou de informações a serem discutidas por ocasião de cada evento . Obrigado amigo sucesso em sua vida Profissional…..

  3. Geraldo Bergamini

    Romulo ……… Parabéns pela informação técnica…entendi perfeitamente..

    Você demonstrou ser imparcial ,mas extremamente técnico e conhecedor profundo do assunto
    Muito obrigado

  4. Vania Vasconcellos

    Parabéns Rômulo excelente trabalho, eu tinha tofas essas dúvidas e mais uma que gostaria de lhe perguntar. Quanto tempo é necessário para realização da troca dos cabos?
    Sou moradora de um prédio de 8 andares, sem ser avisada, sem ter visto movimento menhum e principalmente sem paralisação do elevador, no balancete do mês, veio debitando 2.000,00 reais, sendo a primeira de 11 parcelas, pela troca de cabo do elevador.

    1. Obrigado, Vânia! Que bom que conseguimos tirar várias dúvidas suas. A duração do serviço vai variar de caso a caso. Mas, uma vez que todo o material já está no edifício, podemos esperar que ele seja feito em poucos dias. Em menos de uma semana, eu diria.

  5. Parabéns por compartilhar seus conhecimentos.
    Sabemos que tem muitas empresas e profissionais que não tem o mínimo de ética quando se trata de dinheiro e você conseguiu dar as orientações que muitas pessoas nem imaginavam.
    Vou guardar estas dicas e compartilhar.
    Um forte abraço.

    1. Olá Silmara,

      Geralmente a substituição é feita em conjunto, pois as polias antigas podem ser prejudiciais e gerar um desgaste maior aos novos cabos. Mas isso não é uma obrigatoriedade, por isso é interessante fazer uma análise cuidadosa para tal definição.

      Espero ter ajudado.
      Um abraço!

  6. Nossa empresa nos disse que tem óleo no cabo limitador e isso significa que está desgastado. $7.000,00 para trocar. Também falaram que há um vazamento de óleo que seria bom arrumar, mais $7.000,00. Tem sentido?

    1. Romulo Marques

      Olá Jeffrey, tudo bem?

      Olha, estes são dois problemas que tem consequências de segurança e uso do elevador. O óleo no cabo do limitador é um problema grave de segurança que deve ser resolvido o quanto antes. E o vazamento deve ser avaliado suas proporções. Se ele for muito pequeno, às vezes não é necessário solucioná-lo. Porém se estiver comprometendo a operação ou manutenção do equipamento, é bom ser corrigido. Quanto aos preços, o ideal é procurar orçamentos com empresas concorrentes e avaliar. Grande abraço, Rômulo.

  7. Romulo, Boa tarde. Tenho ap, em um predio recem construido com elevadores da tk, estao instalados ha 1 ano e 3 meses, recentemente a empresa que temos contrato de manutenção para limpeza, ajuste e regulagens…. ( sem peças) enviou um orçamento exorbitante para fazer a equalização dos cabos. Entendo que esse serviço está no contrato, não? ja que se trata de uma regulagem nos cabos de aço para manter a tensao igual neles…. qual é sua opinião como engenheiro da área? Obrigada

    1. Romulo Marques

      Olá Francienne! Penso que o comprador do elevador tem o direito de recebê-lo montado adequadamente. A falha na equalização dos cabos é um erro típico da montagem e acredito que a empresa que montou o elevador deve corrigir essa falha sem custo adicional ao comprador.

  8. paulo sergio rigueti

    Olá Romulo. Sou sindico (prédio comercial), 9 andares, Marília/SP, faz 26 anos. Eu estava a procura de informações de preço sobre encurtamento dos cabos para tomar decisão confortável de que não faria bobagem aceitando de cara o preço da minha contratada de partido. Foi quando dei de cara com o seu artigo sobre troca dos cabos (os dos 2 elevadores do meu prédio, 30 anos, estão bem satisfatórios). Muito bom mesmo o seu escrito, didático, denso (escrever pouco e dizer muito é notável fundamento da boa didática). Sou advogado, sei bem disso. Parabéns!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *