Quando optar pelo controle de acesso nos elevadores do condomínio e como implantar?

controle-de-senha-sem-elevador

A questão da segurança é bastante relevante nos dias atuais, e a administração do seu condomínio não pode deixar de levar essa pauta para a gestão. Um dos instrumentos que você pode adotar para proteger seu condomínio é a adoção do elevador com senha.

Ao longo deste artigo, falo sobre essa adoção, o nível de segurança que ela traz e por que optar por ela. Posteriormente, abordo os principais tipos de acesso existentes no mercado e, por fim, falo sobre questões práticas de usabilidade. Confira!

Manual do Síndico: Um manual gratuito para o seu condomínio sempre saber o que fazer com o elevador. Baixe agora!

Em quais tipos de elevador pode ser implantado o sistema de senha?

Em praticamente todo elevador é possível instalar sistema de senha.

O que vai variar de um para outro é o tipo de adaptação a ser feita. Os elevadores já instalados nos prédios hoje são de diferentes gerações tecnológicas.

Como consequência, o preço para implantar o sistema varia entre 2 mil reais até 12 mil reais (ou mais), dependendo do tipo de adaptação a ser feito e tipo de acesso contratado.

Qual o nível de segurança que o controle de acesso traz ao seu condomínio?

Com o controle de acesso, cada apartamento tem uma senha exclusiva, o que restringe o acesso ao local. Dessa forma, apenas moradores ou pessoas autorizadas têm acesso ao andar e aos apartamentos por meio do elevador, aumentando a segurança de forma significativa.

Quais são os tipos de acesso?

Os principais tipos de acesso são por leitura biométrica, por senha ou por cartão e chave. Falaremos sobre cada uma delas neste tópico.

Leitura biométrica

A leitura biométrica no elevador é realizada por meio da digital dos moradores e de pessoas cadastradas.

Como principais pontos positivos, esta opção descarta a necessidade de cartões, chaves ou senhas, tornando-se mais prática.

Utilizando recursos como o “Digital-Chave”, é possível reativar ou ativar o sistema biométrico no elevador.

Outro benefício desse sistema é a digital de segurança, em que a pessoa cadastrada pode tocar uma região específica do elevador para avisar que se encontra em perigo.

Sistemas mais modernos oferecem também a opção de reconhecimento facial ou de íris, ao invés da leitura biométrica.

Senha

As senhas funcionam da seguinte forma: para ter acesso a um andar, o morador deve inserir um código secreto na botoeira. Outra pessoa que entre no elevador deverá fazer o mesmo.

Os visitantes devem se identificar na portaria do prédio. Ao ser avisado da visita, o morador libera o acesso ao andar, movimentando uma chave localizada na botoeira no interior do apartamento.

Cartão e chave

O sistema de cartão e chave se assemelha bastante ao de senhas.

Dessa forma, cada morador e pessoa cadastrada de cada apartamento recebem cartões e chaves que dão acesso exclusivo para aquele andar e apartamento.

Visitantes devem se cadastrar na portaria do prédio e receber um cartão e chave provisórios ou ter o acesso liberador pelo morador, sendo esta última a alternativa mais comum.

Um exemplo de utilização comum de controle de acesso por cartão é em hotéis. Neste formato, o hóspede recebe um cartão de liberação ao seu andar ao fazer o check-in, e fica impedido de acessar outros andares que não sejam o seu durante sua estadia.

O uso do sistema atrapalha a usabilidade do elevador no dia a dia?

É evidente que algumas medidas protocolares devem ser tomadas para que o sistema apresente o maior nível de segurança possível, mas ele pode ser utilizado de forma corriqueira, sem grandes mudanças na rotina dos moradores.

Para potencializar a usabilidade, deve ser distribuído o manual de informações sobre o sistema a ser adotado, além de realizar assembleias sobre a importância do controle de acesso para a segurança.

Por fim, lembre-se de alertar os moradores do prédio quanto à importância da memorização da senha, pois possíveis alterações podem ser cobradas pelas empresas administradoras do sistema.

Uma observação importante com relação à segurança, é que normalmente quando se faz o controle de acesso aos andares pelo elevador, se faz junto o bloqueio de acesso aos andares através da escada.

É importante ter em mente que, em todos os casos, o acesso à escada a partir do andar deve estar liberado sem necessidade das senhas, para evacuação do prédio em caso de incêndio.

Quando é recomendável adotar um sistema de senha para o elevador do condomínio?

Por uma razão muito simples, em edifícios comerciais que são mais movimentados e com grande público externo não é recomendável a adoção do sistema.

Em edifícios residenciais, a existência de portaria 24h já atua como principal controle de acesso à área interna no condomínio.

Já em prédios residenciais que não possui a portaria tão presente a situação pode ser mais delicada.

Alguém mal intencionado que pule o muro ou consiga acessar por um portão aberto, já está na parte interna do prédio.

Para impedir que esta pessoa consiga chegar à porta dos apartamentos, o sistema de senha no elevador pode ajudar.

Vale lembrar que nesse caso, é necessário que o acesso aos andares através da escada nas áreas comuns esteja impedido.

Conclusão

Como vimos, o elevador com senha é uma alternativa possível para aumentar a segurança, embora alguns critérios devem ser levados em conta na hora de adotá-lo, como a questão do acesso existente aos andares pela escada e também a questão de usabilidade e custo da implantação.

Por isso, dialogue com os condôminos e escolha a alternativa mais viável e familiar para o seu condomínio!

Agora que você já sabe por que deve optar pelo elevador com senha em seu condomínio, saiba mais sobre controle de acesso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vai Comprar um Elevador?

Você pode economizar até 15 mil reais com a nossa ajuda.

Rolar para cima